Agora são horas e minutos - Bem-vindos ao Memories!


12 setembro 2009

A sereia Cecília



Ela costumava nadar com uma amiga de infância, e todos os dias partiam para novas descobertas e aventuras, correndo mares e oceanos.
Traziam sempre com elas relíquias e tesouros, que guardavam num belo cofre dourado, muito bem fechado com cadeado de madrepérola.

Um dia, sua amiga lhe contou que iria morar muito longe dali, e que dificilmente voltariam a se encontrar.

Cecília ficou muito triste e sozinha... Sua melhor distracção, passou a ser admirar os tesouros por elas encontrados durante os longos passeios.

Mas, depois de algum tempo, Cecília resolveu ir dar uma nadadinha, para exercitar suas barbatanas.

O mar pareceu-lhe vazio e triste, mas ela insistiu no seu passeio solitário. Até que, de repente, ela avistou um lugar maravilhoso! Um jardim de corais multi-coloridos! Chegando mais pertinho, ela se apercebeu de uma presença estranha e grande como um rochedo! Era o boto Macrocean, que também bastante assustado, arregalou seus grandes olhos e saiu correndo, ou...nadarendo, para sua habitação. Serena também voltou para casa, muito impressionada!

Mas, no dia seguinte, depois de uma boa noite de sono, Cecília, curiosa, voltou ao jardim de corais, e ao avistar ao longe, Macrocean, admirou-se das suas belas cores e do seu jeito macio e delicado de nadar.

Aproximou-se pouco a pouco e foi logo se apresentando e cumprimentando o simpático boto.

E foi assim que aquela manhã passou tão rápido, para tanto assunto e tanta conversa, entre os dois novos amigos.

Desde aquele dia, os passeios se foram multiplicando.

Aquele hábito de procurar tesouros, que Cecília tinha, quando dos passeios com sua amiga, continuou com ela. Só que agora...




Ilustração de Cathy Delanssay


ela e Macrocean procuravam outras maravilhas, daquelas que habitam as águas, que fazem parte delas, e que estão sempre prontas a serem admiradas.

Aquela nova amizade tinha lhe ensinado a amar essas belezas, conservando-as em seus lugares naturais.

O verdadeiro tesouro daquela amizade, era a liberdade!


                Lou Ferro

Um comentário:

  1. Bravo! Muito bem!
    Gostei muito!
    Beijinhos da Carol!

    ResponderExcluir