Agora são horas e minutos - Bem-vindos ao Memories!


31 agosto 2009

O lobo e a cegonha




Como todos sabemos, os lobos estão sempre famintos e durante os seus banquetes comem tão apressadamente, que por vezes até se engasgam!
Foi o que aconteceu à um deles, que ficou bem aflito, com um ossinho atravessado nas goelas.
Aflito e já sem voz, acenou para a cegonha, que por ali passava, pedindo-lhe ajuda. A cegonha, que era a enfermeira dos animais, chegou-se para ajudá-lo e, com muito cuidado, meteu a cabeça na boca do lobo e conseguiu retirar o osso da sua garganta.
Vendo-o aliviado, pediu-lhe que lhe pagasse o seu salário.
Pagamento? disse o lobo: Você deve estar brincando, comadre! Jé teve a sua paga, conseguindo tirar seu pescoço de dentro das minhas goelas! Vá-se embora, sua ingrata! E que não caias jamais debaixo da minha pata!



Contada por Lou

O poder da amizade


Ilustração de Rie Nikajima


Manuelita amava morangos.    
José amava a cor azul.
Fernando amava gelado de baunilha.
Carla amava sapatinhos brancos.        
Manuela hoje ama cerejas.
José ama o amarelo.               
Fernando, gelado de pistache.        
Carla ama tamanquinhas coloridas.       
Mas a amizade de Mauela, José, Fernando e Carla... continua a mesma!
Porque só a amizade vence o tempo.
                                                                                                                                      Lou Ferro


O limoeiro que queria ser rei




Era um pequeno Limoeiro que tinha um sonho. Ter uma coroa de rei!
Ele era da família das limas, com frutos verde escuro, pequenos e muito saborosos. Com seus frutos se faziam as melhores limonadas. Todos o admiravam, pois estava sempre carregadinho de limões e muito vistoso!
Mas ele não era completamente feliz.
Um dia, o jardineiro chegou com uma nova planta, para decorar o jardim do qual ele fazia parte. Foi aí que ele conheceu dona Laranjeira. Muito florida de branco, uma belezura! Ficaram logo muito amigos. Apesar das diferenças, tinham os mesmos gostos e sabores parecidos! Um dia, ouviram o jardineiro dizer que eles eram primos! 
Logo as pequenas e perfumadas flores que enfeitavam dona Laranjeira se transformaram em frutos verdes... parecidos com os limões de seu amigo. Mas, pouco a pouco, foram crescendo e pegando as cores do Sol.
Aquele canto do jardim até parecia a bandeira do Brasil. Tudo verde e amarelo! O Limoeiro contou seu sonho para a sua amiga dona Laranjeira, que ficou muito admirada e lhe contou uma outra história muito interessante:
Numa outra vez... um Ananás bem coroado se sentia o rei de um pomar desde que tinha nascido o seu fruto. Quem por ali passava dizia: - Que bela coroa ele tem! Todas as outras árvores e plantas dos arredores se inclinavam diante dele, mostrando admiração e respeito. Mas, num triste dia, o jardineiro chegou bem perto e disse: - Hum! Está madurinho e cheiroso! Vamos ter hoje uma bela sobremesa! E arrancou-o da terra. Inteirinho! Foi muito triste. Todas as plantas do jardim choraram pelo rei.
O Limoeiro sacodiu suas folhinhas e se sentiu aliviado. No seu caso e no caso de sua amiga, dona Laranjeira,  a colheita de seus frutos não era assim triste. Quanto mais frutos davam...mais flores e frutos nasciam, que sorte tinham! Logo deixou de lado o sonho de ser rei e se sentiu muito feliz! Mas... uma pontinha de tristeza ficou, depois de ouvir a história do Ananás. Perguntou à dona Laranjeira se não haviam mais notícias do Ananás. Então ela lhe contou outra história:
Vez por outra, a pessoa que prepara o Ananás para a sobremesa, retira sua linda coroa e a planta num vaso. Ele se transforma numa bela planta decorativa! Foi o que aconteceu com ele! Hoje mora no varandão de uma casa do campo. Rodeado de Margaridas brancas e Gerâneos vermelhos, não quer mais saber de ser rei. Para ele agora, o importante é estar entre amigos, na variedade e nas semelhanças da vida!
O Limoeiro e a Laranjeira riram muito... tanto, que despertaram a atenção de todo o jardim. Todos se sentiram muito bem acompanhados e felizes!

                                                                                                  Lou Ferro

30 agosto 2009

Sá Mariquita


 Ilustração de Rie Nakajima

Sá Mariquita, Mariquita tinha, 
sua velha casinha dos tempos de amor...
A ventania de riba da serra, 
topou com a casinha e escangalhou...
Ai! Ai!... Sá Mariquita isso não é brinquedo...
Me diga se saudade mata, 
se saudade mata, que eu já estou com medo! 


A canoa virou





Que lindos olhos, que lindos olhos tem você...
Que ainda hoje, que ainda hoje eu reparei.
Se eu reparasse, se eu reparasse há mais tempo...
Eu não amava, eu não amava quem amei!

A canoa virou, deixá-la virar...
Porque a Maria, não soube remar.
A canoa virou, deixá-la virar...
Porque a Maria não soube remar.
Ai! Se eu fosse um peixinho e soubesse nadar...
Tirava a Maria do fundo do mar!
Ai! Se eu fosse um peixinho e soubesse nadar...
Tirava a Maria do fundo do mar!

O Cravo brigou com a Rosa


Ilustração de Rie Nakajima

O cravo brigou com a rosa, debaixo de uma sacada...

O cravo saiu ferido, a rosa despetalada.
O cravo ficou doente, a rosa foi visitar...
O cravo teve um desmaio, a rosa, pôs-se  a chorar!

O pião entrou na roda


Ilustração de Rie Nakajima

O pião entrou na roda, pião...
O pião entrou na roda, oi pião!
Roda pião, bambeia pião...
Roda pião, bambeia, oi pião!

Sapateia no tijolo, pião...
Sapateia no tijolo, oi pião!
Roda pião, bambeia pião...
Roda pião, bambeia, oi pião!

Salta de um lado pro outro, pião...
Salta de um lado pro outro,oi pião!
Roda pião, bambeia pião...
Roda pião, bambeia, oi pião!



Passa, passa gavião


Ilustração de Rie Nakajima



Passa, passa gavião, todo o mundo é bom...
Passa, passa gavião, todo o mundo é bom!
A cozinheira faz assim... a lavadeira faz assim...
Assim, assado, carne seca com ensopado!

Passa, passa gavião...



Teresinha de Jesus



Ilustração de Rai Nakajima



Teresinha de Jesus, de uma queda, foi ao chão...
Acudiram três cavalheiros, todos três, chapéu na mão.
O primeiro foi seu pai, o segundo seu irmão...
O terceiro foi aquele, que a Teresa deu a mão.
Tanta laranja madura, quanto limão pelo chão...
Tanto sangue derramado, dentro do meu coração.
Da laranja quero um gomo, do limão quero um pedaço...
Da lourinha quero um beijo, da morena um abraço.


Se esta rua fosse minha


Ilustração de Rie Nakajima



Se esta rua, se esta rua fosse minha,
Eu mandava, eu mandava ladrilhar...
Com pedrinhas, com pedrinhas de brilhante,
Para o meu, para o meu amor passar!

Nesta rua, nesta rua tem um bosque,
Que se chama, que se chama solidão...
Dentro dele, dentro dele mora um anjo,
Que roubou, que roubou meu coração!

- Se eu roubei, se eu roubei teu coração,
Tu também, tu também roubaste o meu...
Se eu roubei, se eu roubei teu coração...
É porquê, é porquê te quero bem!


A linda Rosa Juvenil


Ilustração de Rie Nakajima

A linda Rosa juvenil, juvenil, juvenil...
Vivia alegre no seu lar, no seu lar, no seu lar...
Vivia alegre no seu lar, no seu lar!...
Um dia veio uma bruxa má, muito má, muito má...

Um dia veio uma bruxa má, muito má!...
Que adormeceu a Rosa assim, bem assim, bem assim...
Que adormeceu a Rosa assim, bem assim!...
O tempo passou a correr, a correr, a correr...
O tempo passou a correr, a correr!...
E o mato cresceu ao redor, ao redor, ao redor...
E o mato cresceu ao redor, ao redor!...
Um dia veio um belo rei, belo rei, belo rei...
Um dia veio um belo rei, belo rei!...
E despertou a Rosa assim, bem assim, bem assim...
E despertou a Rosa assim, bem assim!...
Digamos muito bem ao rei, muito bem, muito bem...
Digamos muito bem ao rei, muito bem!...

Ciranda, cirandinha


Ilustração de Rie Nakajima


Ciranda, cirandinha, vamos todos cirandar...
Vamos  dar a meia volta, volta e meia vamos dar!

O anel que tu me deste, era vidro e se quebrou...
O amor que tu me tinhas era pouco e se acabou!
Por isso, dona Maria, entre dentro desta roda...
Diga um verso bem bonito, diga adeus e vá-se embora!

*
Sou pequenininha
de perninha grossa...
Vestidinho curto
papai não gosta!
Sou pequenininha
do tamanho de um botão...
Trago o papai no bolso
e a mamãe no coração!

Fui no Tororó


Ilustração de Cathy Delanssay




Fui no Tororó beber água, não achei...


Achei bela morena que no Tororó deixei.

Aproveita minha gente, que uma noite não é nada...

Se não dormir agora, dormirá de madrugada.



Ô Mariazinha, ô Mariazinha, entrarás na roda e ficarás sozinha.
- Sozinha eu não fico nem hei-de ficar, porque tenho o Paulinho
Para ser meu par.

Tira, tira o seu pezinho, põe aqui ao pé do meu
E depois não vá dizer que seu pai se arrependeu.
Passei junto de uma casa, um cachorro me mordeu...
Não foi nada, não foi nada, quem sentiu a dor fui eu!


Pai Francisco


Ilustração de Rie Nakajima



Pai Francisco entrou na roda, tocando o seu violão, belem lão blão blão!
Vem de lá seu delegado, pai Francisco vem da prisão.

Como ele vem todo requebrado, parece um boneco desengonçado!...

Sapo Cururu


Ilustrção de Cathy Delanssay


Sapo Cururú, da beira do rio...
Quando o sapo grita ô maninha, é porque está com frio!
A mulher do sapo, é quem está lá dentro...
Fazendo rendinha, ô maninha, pro seu casamento!

Senhora viúva


Rie Nakajima


Fiz a cama na varanda, 
me esqueci do cobertor.
Deu um vento na roseira, 
me encheu a cama de flor...flor...flor...flor!

Dizei, senhora viúva, 
com quem, quereis se casar.
Se é com o filho do conde, 
ou é com o seu general, general, general?

- Não é com nenhum desses homens, 
eles não são para mim.
Eu sou uma pobre viúva, 
triste, coitada de mim, ai de mim, ai de mim!

Morreu meu marido no meio das flores, 
acabou-se a alegria, acabou-se os amores.
Coberta de luto, de luto fechado, 
semanas inteiras eu tenho chorado!


Samba Lelê


Ilustração de Rie Nakajima   

Samba Lelê está doente,
está com a cabeça quebrada...
Samba Lelê precisava,
de umas duzentas lambadas!


Samba, samba, samba, oi Lelê,
samba na barra da saia, oi Lelê...
Samba, samba, samba oi Lelê,
samba na barra da saia!


Ô menina bonita,
como é que se namora?
- Põe o lencinho no bolso,
deixa a pontinha de fora!


Samba, samba, samba, oi Lêle,
samba na barra da saia, oi Lelê...
Samba, samba, samba, oi Lêle,
samba na barra da saia!


Ô menina bonita,
onde é que você mora...
Moro na rua formosa,
mas amanhã vou-me embora!


Samba, samba, samba, oi Lêle,
samba na barra da saia, oi Lelê...
Samba, samba, samba, oi Lêle,
samba na barra da saia!

*
Esquindô Lelê, esquidô, Lelê, la-la...
Esquidô Lelê, tóca vióla de papo pro ar!
*
O meu boi morreu, que será de mim?
-Manda buscar outro, maninha, lá no Piauí!
*
Ô de ruz- truz- truz,
Ô de raz- traz- traz...
Ora chega, chegadinho,
Ora arreda lá pra trás!

SalvarSalvar

29 agosto 2009

Fui à Espanha


Ilustração de Rie Nakajima



Fui à Espanha buscar o meu chapéu... 
azul e branco, da cor daquele céu!
Ora palma, palma, palma, ora pé, pé, pé...
Ora roda, roda, roda, caranguejo peixe é!
Caranguejo não é peixe, caranguejo peixe é...
Caranguejo só é peixe na enchente da maré!

27 agosto 2009

A arca de Noé

      noah    
       
      NOÉ ERA UM HOMEM BOM.    
   
      TINHA UMA FAMÍLIA MUITO GRANDE!...    
   
      TODOS GOSTAVAM DELE.    
   
      NUMA NOITE, UM ANJO QUE TAMBÉM ERA FÃ DELE,    
   
      APARECEU EM SONHOS, E DISSE:    
   
      NOÉ, NOÉ, CONSTROI UM BARCO MUITO GRANDE (a Arca)...    
   
      PEGA A TUA FAMÍLIA    
   
      E UM CASAL DE CADA ANIMAL DA TERRA.    
   
      JUNTA TODOS NA ARCA, PORQUE VAI CHOVER MUITO...    
   
      TANTO, TANTO, QUE AS ÁGUAS VÃO COBRIR TODO O PLANETA.    
   
      NA ARCA ESTARÃO TODOS SEGUROS    
   
      ATÉ A CHUVA PARAR!...    
   
      lifesaver    
   
      QUANDO NOÉ ACORDOU,    
   
      FOI LÓGO TRATANDO DA CONSTRUÇÃO DA ARCA.    
   
      TODOS DA FAMÍLIA AJUDARAM!    
   
      QUANDO A ARCA FICOU PRONTA    
   
      NOÉ REUNIU TODAS AS PESSOAS E BICHOS LÁ DENTRO.    
   
      TAMBÉM MUITA COMIDA!...E O CÉU COMEÇOU A ESCURECER...    
   
      A ESCURECER...    
   
      E VEIO A CHUVA.    
   
      portanim    
   
      E ERA TÃO FORTE AQUELA CHUVA...    
   
      QUE INUNDOU A TERRA EM POUCO TEMPO.    
   
      O BARCO DE NOÉ FICOU ASSIM, FLUTUANDO,    
   
      DURANTE 40 DIAS E 40 NOITES...    
   
      day40    
   
      MAS, NUMA BELA MANHÃ...    
   
      NOÉ ACORDOU E VIU QUE JÁ NÃO CHOVIA...    
   
      UM BONITO SOL ILUMINAVA O CÉU!    
   
      rnbw1    
   
      UMA POMBINHA    
   
      REGRESSAVA AO BARCO, TRAZENDO NO SEU BICO    
   
      UM RAMINHO DE OLIVEIRA!...    
   
      *    
   
      TERRA A VISTA!!!    
   
      GRITOU NOÉ!    
   
      E AS ÁGUAS FORAM BAIXANDO LENTAMENTE...    
   
      E O BARCO DE NOÉ POUSOU NO CHÃO.    
   
      anchorline    
   
      NOÉ SOLTOU TODOS OS BICHOS    
   
      E ELE E SUA FAMÍLIA RECOMEÇARAM SUAS VIDAS,    
   
      TRABALHANDO E PLANTANDO NA SUA QUERIDA TERRA.    
   
hshbgtopfall
 



Contada por Vó Lou